Alimentos: crescimento da categoria pede armazenagem e distribuição mais eficiente

Home/Internet das Coisas (IoT), plataforma/Alimentos: crescimento da categoria pede armazenagem e distribuição mais eficiente

Alimentos: crescimento da categoria pede armazenagem e distribuição mais eficiente

Veja como a categoria de alimentos guarda oportunidades, porém, aliada a investimentos em logística

Se o empreendedor quer apostar em uma categoria para alavancar as vendas do varejo ou de serviços como restaurantes, deve aproveitar a ascensão da alimentação saudável. Entretanto, para um melhor aproveitamento da distribuição da categoria, é preciso ficar atento com uma melhor armazenagem e logística adequada. Saiba mais a seguir!

O relatório Tendências Mundiais de Alimentação e Bebidas 2017, elaborado pela agência de pesquisas Mintel, refletiu o otimismo dos empreendedores que já atuam no mercado com produtos sem açúcar refinado, glúten, lactose ou aditivos químicos. De acordo com o levantamento, quatro em cada cinco brasileiros estão dispostos a gastar mais se o alimento tiver maior valor nutricional. Veja outros pontos revelados na pesquisa:

  • 79% dos entrevistados já substituem produtos convencionais por outros mais saudáveis;
  • 44% dão preferência a produtos sem corantes artificiais;
  • 24% dos adultos brasileiros comeriam mais grãos integrais, como linhaça e quinoa, se soubessem como utilizá-los no dia a dia.

Todavia, não basta agregar esse tipo de alimento sem se preparar antes. Muitos produtos naturais necessitam de cuidados especiais tanto na armazenagem quanto na distribuição. Confira algumas dicas:

  • Processos de armazenagem precisam de muito cuidado e preparo da equipe de logística. Afinal, os alimentos são manuseados várias vezes no momento do armazenamento e isso oferece um risco de danos à sua embalagem original;
  • Todas as instalações físicas do setor, assim como equipamentos e processos de recebimento e expedição, devem estar apropriados para as operações;
  • Equipamentos: os diversos equipamentos de carga e descarga da área de logística devem estar bem adequados para esse manuseio dos alimentos. As máquinas necessárias para o trabalho da logística requerem sistemas antivibração, além de serem controlados por trabalhadores aptos;
  • Instalações: produtos perecíveis quando armazenados, precisam ficar em instalações que preservem as temperaturas indicadas para os alimentos. A higienização também precisa de um cuidado periódico. Esse cuidado é fundamental para diminuir os riscos de contaminação dos alimentos e seguir os padrões designados pela ANVISA (Agência Nacional de Vigilância Sanitária);
  • Estocagem: quanto à logística para o setor de alimentos, os gestores da área devem priorizar o aproveitamento do maior ambiente possível. Dessa forma, é possível manter espaços sobrando entre os paletes onde são colocados os produtos, isso contribui com a ventilação da mercadoria e dá mais praticidade ao acesso entre elas.

Internet das coisas (IoT) pode auxiliar na logística de alimentos

A GTP oferece o hunter™ IoT Visibility Manager, uma plataforma de automação que identifica, captura, rastreia e garante fidelidade da informação desde a coleta dos dados à sua entrega para os softwares de gestão.

Essa ferramenta pode controlar e gerenciar processos, além de identificar sensores, atuadores e transponders RFID.

Outras tarefas que o hunter™ IoT Visibility Manager, via sensores, realiza:

  • Mede condições ambientais (temperatura e umidade);
  • Comanda abertura e fechamento de portas;
  • Comanda circuitos fechados de TV;
  • Envia mensagens por SMS;
  • Monitora ambientes (Pátios, Portos e Aeroportos);
  • Envia Alarmes e Emite Alertas;
  • Monitora abertura e fechamento de lacres;
  • Realiza integração entre componentes.

Saiba mais clicando aqui.

 

Com informações: dc.clicrbs, Embalagens B2B.

 

About the Author:

Deixe um Comentário